Mensagens de Luz  
 
 
  Textos Espíritas  
 
 
  Mural de Recados  
 
 
  Guia de Centros Espíritas  
 
 
  Ouça Mensagens  
 
 
Página Inicial - O Espiritismo
 Home
 A Doutrina
  O que é?
  Conheça Allan Kardec
  Biografias
  Galeria de Imagens
  Fale Conosco
  Links Indicados
  Sugestão de Livros
  Obras Básicas
 O Espiritismo e Você
  Mensagens de Luz
  Textos Espíritas
  Mural de Recados
  Guia de Endereços
  de Centros Espíritas
  Ouça Mensagens
 
 
>> MURAL DE RECADOS
 
Mural
De: Allan Jr
Para: Todos
E-mail: allanjr@gmail.com
Data: 29/12/14 05:42

O dom da caridade é a maior riqueza que podemos almejar. Amélia Rodrigues (espírito)

Psicografia de Divaldo Franco


De: Giovani Ribeiro
Para: todos
E-mail: gior@bol.com.br
Data: 29/12/14 05:40

Ninguém recolhe o Bem sem conquistá-lo, e ninguém recebe o mal sem atraí-lo. Emmanuel (espírito), psicografia de Chico Xavier

De: Victor Hugo
Para: Todos
E-mail: vhgdebem@gmail.com
Data: 25/12/14 22:09

BILHETE FRATERNO

Meu amigo, prossigamos

No trabalho, dia a dia,

Procurando com Jesus

A verdadeira alegria.


Se no caminho despontam

Problemas a resolver,

Perseveremos no bem

Cumprindo o nosso dever.

A dor faz parte da vida...

Ninguém vive sem lutar,

Mas é feliz quem já sabe

Esquecer e perdoar.

Incompreensões? Dissabores?


Não desistas de servir.

Silencia e segue em frente

Na construção do porvir.

Amanhã, após a noite,

Que a morte impõe aos teus passos,

Encontrarás, redivivo,

O Cristo a estender-te os braços!

Casimiro Cunha (espírito), psicografia de Chico Xavier

De: wilson
Para: Os estudiosos
E-mail: wilsonmoreno67@gmail.com
Data: 25/12/14 17:00

Sacrifícios de animais em rituais religiosos.
Eu tenho algumas observações de um site chamado espiritismo verdadeiro que coloca algumas questões importantes sobre esse tema.
Vejamos.
Matar um animal como uma ave, com a intenção de uso do sangue para uma oferenda ou oferta para exus ou outras entidades como são praticados em algumas seitas religiosas.
O sangue que cai é totalmente negativo em sua essência, quando cai sobre uma pedra, grama ou terra, tudo que toca se torna em termos de energias espirituais em estado negativo da criação.
Como o nome já diz, energia da Criação e não da destruição.
Tudo que existe na natureza tem vida, não a vida como a conhecemos, mas a vida em estado latente da evolução, vida vegetal, vida animal, vida mineral, tudo que conhecemos que foi criado por Deus tem vida, tem espírito, a natureza foi criada por Deus, em toda à parte.
Quando destruímos a natureza animal ou vegetal, de certa forma estamos destruindo a criação de Deus.
A morte de um animal, para servir a nossa vaidade, cobiça, servindo de oferenda em seitas religiosas, com o propósito de se pedir riquezas ou sorte a uma entidade espiritual é um verdadeiro desastre.
Deus nunca daria proteção a uma causa que não fosse fundamentada no amor ao próximo, na caridade no respeito a vida e a tudo que Cristo veio nos ensinar.
AMOR AO PRÓXIMO TAMBÉM É AMAR OS ANIMAIS, AMAR A NATUREZA, É AMAR A VIDA.
Sacrifício de animais em seitas gera energias negativas, contamina espiritualmente até o solo em que foi derramado o sangue, contamina quem está praticando o ato e o espírito que com certeza é sem evolução que está ali presente.
Para satisfizer espíritos de pouca evolução, pouco conhecimento, sem fé em Deus, pessoas que se auto intitulam de Pai de Santo, Mães de Terreiro, pedem os chamados despachos que são feitos com animais mortos, farinha, bebidas, charutos ou cigarro, sangue, e tudo mais que eles imaginam, sempre com a finalidade de se prestar um tipo de sacrifício ao espírito que ali se diz atuar.
Em certas religiões são praticadas as oferendas de matanças de animais, como aves, nestas oferendas eles bebem sangue humano e de animais, só para impressionar quem está ali, usam para isso seus cavalos, (médiuns da religião de origem afro), fazem um verdadeiro teatro de horrores.
Este tipo de espírito que ali está atuando como uma divindade, na verdade é uma fraude, com este procedimento ele consegue provocar o medo e o respeito, tirando assim qualquer possibilidade de que alguém duvide deles, com isso conseguem sempre mais e mais adeptos, tanto entre os encarnados como no plano espiritual.
Não estamos colocando aqui o seguimento sério da religião Umbanda e nem do Candomblé, estas religiões já se desenvolveram, já estão em um nível de conhecimento maior.
O que estamos colocando aqui são pequenas seitas e centros formados em fundo de quintal, com seus orientadores ou chefes de terreiro sem preparo nenhum, usam o nome de entidades e do espiritismo sem fé verdadeira em Deus, a única finalidade é o dinheiro e o poder.
Espiritismo Verdadeiro
Espiritualista
Espíritos já antigos em suas várias encarnações que passaram ao lado obscuro do Plano Espiritual, costumam a viver como rebeldes, procuram formar suas legiões, como bandidos aqui neste mundo que formam quadrilhas, para isso usam o medo e o terror.
Sem ter possibilidade de manipular com forças (energias) positivas, forças da energia de Deus, costumam trabalhar com energias negativas que sobram à vontade hoje em dia na maldade humana.
Manipulam estas energias para fazer o mal, enganar pessoas encarnadas e desencarnadas, sempre com a finalidade de dominar, subjugar e trazer o máximo possível de almas a seguirem o mesmo caminho que tiveram em suas vidas espirituais.
Para conseguir o que querem, moldam seu perispírito com outra aparência, às vezes de animal, cobra, bode, seres com chifres, e outros demônios do imaginário humano, vestimentas folclóricas representando antigos cangaceiros, matadores, executores, as vezes até índios.
Se fazem passar por uma entidade espiritual, sempre para enganar as pessoas, provocar medo, conseguir respeito, este medo funciona até no plano espiritual em outros espíritos menos evoluídos, sem conhecimento.
Fingem que fizeram um exorcismo ou uma desobsessão quando na verdade a finalidade é enganar e subjugar se mostrar com poder, dizem- se capazes de proteger, resolver problemas conjugais e de amor, trazer de volta amores separados, costumam dar a entender que conseguem colocar as pessoas em destaque em seu trabalho facilitando a vida financeira.
Espiritismo Verdadeiro
Espiritualista
Espíritos apesar de já estarem desencarnados, sabem que em no nosso plano, em nosso mundo, o dinheiro representa o poder, sentem falta do luxo e da volúpia, também a falta do sabor da bebida alcoólica, do cigarro ou charuto.
Todos estes sintomas são de espíritos sem evolução que ainda estão completamente ligados ao plano material, já não pertencem mais a este mundo, sabem disso, mas vivem e tem sensações como ainda encarnados.
Para se satisfizer usam pessoas com pouca informação, pouco desenvolvimento espiritual, pedem os chamados despachos que são feitos com animais mortos, farinha, bebidas, charutos ou cigarro, sangue, e tudo mais que eles imaginam.
Quando seus médiuns, \"cavalos\", como são chamados em religiões de origem afro, quando se incorporam, estes espíritos tem frações de segundos as mesmas sensações que tinham quando ainda em suas vidas anteriores
Em certas religiões são praticadas as oferendas de matanças de animais, como aves, nestas oferendas eles bebem sangue humano e de animais, só para impressionar quem está ali.
Este tipo de espíritos procura sempre com este procedimento provocar o medo e o respeito de quem tem pouca informação a este respeito, tirando assim qualquer possibilidade de que alguém duvide deles, com isso conseguem sempre mais e mais adeptos.
Espiritismo Verdadeiro
Espiritualista
Espíritos quando estão em um plano de existência negativo a Deus, seus corpos espirituais, (perispírito) são como trevas, escuros, sem luz, sua força espiritual é nula, na verdade não conseguem fazer nem o bem nem o mal, falta o mais importante para eles, \"a fé\".
Os despachos ou macumbas feitas por pedidos destes espíritos não tem valor nenhum quanto ao poder de modificar ou não a vida de alguém, são usados ali produtos que tem correlação com os vícios humanos, partes de animais, aves mortas, fumo e bebidas alcoólicas.
O ato em si tem valor espiritual, mas contra quem está praticando, quem está acreditando naquele poder da matéria que não existe, oferendas com animais e alimentos ou bebidas geram energias negativas a quem pratica e até ao ambiente em que ela é feita.
Para que se consiga algo de bom para nossa vida não é necessário o uso de matéria, a força está no espírito, na fé em Deus, se formos merecedores de uma bênção seremos abençoados com a graça.
Oferendas, despachos em encruzilhadas, derramamento de sangue de animais, vícios como Alcoolismo e Tabagismo justamente durante cultos religiosos são extremamente negativo a Deus, atos dessa natureza não tem nada a ver com Jesus Cristo, nem com o amor ao próximo que Jesus nos ensinou, não é bem aceito na sociedade civilizada.
Nossos irmãos encarnados que praticam estes atos cultuando uma forma de louvor a Deus estão no Plano Negativo da existência, tanto no mundo material como no Plano Espiritual.
Cargas extremas de energias negativas, seus corpos espirituais, (perispírito) são como trevas, escuros, sem luz, sua força espiritual é nula, na verdade eles não conseguem fazer nem o bem nem o mal, falta o mais importante para eles, \"a fé\".
Se por um acaso alguém se acha com um problema resolvido nestes lugares, é sua própria força e sua própria fé que o ajudou, não espíritos que se fantasiam para isso.
Fonte Site Espiritismo Verdadeiro.
Wilson Moreno na busca da Verdade.

De: antonio marcos de freitas
Para: Todos
E-mail: marfrei2003@yahoo.com.br
Data: 21/12/14 10:16

Irmãos, que alegria poder ter um espaço bacana como este, aonde temos a oportunidade de agradecer a papai do céu por tudo de bom que nos acontecem. Espaço este gerido por falanges espirituais superiores, anjos dispostos a prestar um pronto atendimento espiritual a todos que recorram. Enfim agradeço a papai do céu por mas esta oportunidade, lembrando dos meus familiares dos meus amigos e de todos aqueles que passam por momentos difíceis!

De: Victor Hugo
Para: Todos
E-mail: vhgdebem@gmail.com
Data: 18/12/14 12:06

JESUS, NATAL E VOCÊ

Não te permitas contagiar pela fulguração ostensiva das festas mundanas, que não têm nenhum compromisso com a Sua vida.
Procura evocá-lo, recordando-te de Suas lições incomparáveis de beleza e de sabedoria, enriquecendo-te os sentimentos que se transformarão em sublime musicalidade de ação em hinos de amor e de caridade, conforme Ele os viveu.
Diminui a balbúrdia e a ansiedade que tomam conta das criaturas nos dias que precedem à evocação do Seu berço humilde na gruta de Belém, vivenciando a paz e a alegria de conhecê-lo, de poderes levá-lo às demais pessoas que não compreendem o Seu ministério.
Celebra o Seu Natal com paz no coração e programação de bondade na tua atividade.
Aproveita as doces vibrações que dominam a Terra e faze-te súdito dedicado do Rei Solar, cooperando com Ele na instalação definitiva da era de paz e de fraternidade pela qual todos anelam.

Joanna de Ângelis (espírito), psicografia de Divaldo Franco. Livro: Liberta-te do Mal
............

INVERSÃO DE VALORES NO NATAL

Durante o solstício de inverno na Roma pagã, período que abrange os dias 17 a 23 de dezembro, celebravam-se as Saturnais, também
denominadas como as “festas dos escravos”, em razão de ser-lhes concedidas oportunidades de prazeres, aumento da quota de
alimentos, diminuição dos trabalhos a que se encontravam submetidos especialmente nos campos.

Homenageando-se o deus Saturno, os participantes entregavam- se aos mais diversos abusos, especialmente na área da sensualidade, da falta de compromissos
morais, assemelhando- se às bacanais...

Quando o Cristianismo primitivo passou a dominar as mentes e os corações do Império, aqueles afeiçoados a Jesus, desejando apagar a nódoa moral
que vinha do paganismo e permanecia atormentando a cultura vigente, transferiram a data do Seu nascimento para aquele período, aproximadamente, destacando-se o dia 25 para as celebrações
festivas.

Havendo nascido o Mestre de Nazaré entre 6 e 8 de abril, segundo os mais precisos cálculos dos estudiosos do Cristianismo contemporâneo, o alto significado
da ocorrência, pensavam então, teria força suficiente para apagar as lembranças dos abusos praticados até aquela ocasião.

O ser humano, nada obstante, mais facilmente vinculado às paixões primitivas, lentamente foi transformando a data evocativa da estrebaria de palha que se transformou numa constelação de
estrelas, a fim de dar expansão aos sentimentos desequilibrados, assim atendendo às necessidades das fugas psicológicas, em culto
externo de fantasia e de prazer.

Posteriormente, São Francisco de Assis, símile de Jesus pelo seu inefável amor e entrega total da vida, desejou recompor a ocorrência
natalina, e realizou o seu primeiro presépio, a fim de que o mundanismo não destruísse a simpleza da ocorrência, apresentando o evento sublime na forma ingênua das suas emoções.

Durante alguns séculos preservou- se a evocação do berço dentro das modestas concepções do Cantor de Deus.

À medida que a cultura espraiou- se e as modernas técnicas de comunicação ampliaram os horizontes das informações, as doutrinas
de mercado, assinaladas pelas ambições de compras e vendas, de extravagâncias e de presentes, de sedução pelo exterior em detrimento do significado interno
dos valores, propôs novos paradigmas para as comemorações do Natal.

Na atualidade aturdida dos sentimentos, a figura de Jesus lentamente desaparece da paisagem do Seu nascimento, substituída pelo simpático e gorducho
velhinho do norte europeu, Papai Noel, e o seu trenó entulhado de brinquedos para as crianças e os adultos que se entregam totalmente à alucinação festiva,
distante da mensagem real do Nascimento.

Atualizando-se no Ocidente e, praticamente no mundo todo, as doces lendas sobre São Nicolau, eis que também a árvore colorida vem substituindo o presépio
humilde nascido na Úmbria, e outro tipo de saturnália toma conta da sociedade, agora denominada cristã...

Matança de animais, excesso de bebidas alcóolicas, festas exageradas, extravagâncias de todo porte, troca de presentes, abuso de promessas
e ânsia de prazeres tomam lugar nas evocações anuais, com um quase total esquecimento do Aniversariante.

A preocupação com a aparência, os jogos dominantes dos relacionamentos sociais e o exibicionismo em torno dos valores externos aturdem
os indivíduos que se atiram à luxúria e ao desperdício, tendo como pretexto Jesus, de maneira idêntica ao culto oferecido a Saturno.

Propositalmente, os adversários da ética-moral proposta pelo Mestre procuram apagar a Sua lembrança nas mentes e nos corações, em tentativas covardes
e contínuas de O transformar em mais um mito que se perde na escura noite do inconsciente coletivo da Humanidade.

Distraídos em torno da ocorrência perversa, pastores e guias do rebanho confundido deixam-se, também, arrastar pela corrente da banalidade, engrossando as
fileiras dos celebradores do prazer e da anarquia.

É certo que Jesus não necessita de que se Lhe celebrem as datas de nascimento nem de morte, mas deseja que se vivam as
lições de que se fez o Mensageiro por excelência, propondo novos conceitos e comportamentos em torno da felicidade e da responsabilidade existencial,
tendo em vista a imortalidade na qual todos nos encontramos mergulhados.

Nada obstante, é de causar preocupação o desvio, a inversão de valores que se observam nas evocações festivas e na conduta dos celebradores,muito mais preocupados
com o gozo e o despautério do que com os conteúdos memoráveis dos ensinamentos por Ele preconizados e vividos.

Por compreender as fraquezas morais do ser humano, Jesus entendia, desde então, tais ocorrências que hoje acontecem, as adulterações
que se produziram nos Seus ensinamentos, e diante da indiferença que tomaria conta daqueles que O deveriam testemunhar, foi peremptório ao afirmar: – Quando eles [os
seus discípulos] se calarem
as pedras falarão...
[Lucas, 19:40.]

Concretizou-se o Seu enunciado profético, porque, nestes dias tumultuosos, nos quais não se dispõe de tempo, senão para alguns deveres de trabalho
que proporcione compensações imediatas, o silêncio das sepulturas quebrou-se e as vozes da imortalidade em grande concerto vêm proclamar e restaurar a mensagem de vida imperecível,
despertando os adormecidos para a lucidez e a atualização da conduta nos padrões elevados do Bem.

Não mais os intérpretes que adaptam os ensinamentos às suas próprias necessidades, distantes do compromisso com a Verdade;
que se deixam dominar por excessos de zelos desnecessários, transferindo os seus conflitos para os comportamentos que os demais
devem vivenciar; que se refugiam nos arraiais da fé, não por sentimentos elevados, mas procurando ocultar os conflitos nos quais estertoram...

As vozes dos Céus, destituídas dos ornamentos materiais e das falsas necessidades do convívio social, instauram a Nova Era, trabalhando
pelo ressurgimento das lições inconfundíveis do Amor, conforme Ele as enunciou e as viveu até o holocausto final...

O Seu Natal é um momento de reflexão, convidando as criaturas humanas a considerarem a Sua renúncia, deixando, por momentos,
o sólio do Altíssimo para percorrer os caminhos ásperos da sociedade daquele tempo, amando infatigavelmente e ensinando
com paciência incomum, de modo a instalar na rocha dos corações os alicerces do Reino de Deus que nunca serão demolidos.

Assim sendo, embora a inversão de valores em torno de Jesus e de Sua doutrina, que se observa
nas leiras do Cristianismo nas suas mais variadas denominações, nenhuma força provinda da insensatez conseguirá diminuir a
intensidade de que se revestem, por serem os caminhos únicos e de segurança para que a criatura, individualmente, e a sociedade,
em conjunto, alcancem a plenitude a que aspiram mesmo sem o saber.

Vianna de Carvalho (espírito)

(Página psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco, na manhã do dia 17 de novembro de 2008, na cidade do Porto, Portugal.)
................

Esparze em derredor a luz da alegria, o bálsamo do consolo e o pão da bondade, celebrando o Natal com as mãos da caridade e os tesouros do amor, de modo a transformares o coração num altar e a alma na sede do Seu reino, donde Ele possa novamente apresentar-se, por teu intermédio, aos desditosos, reconstruindo a vida sob a excelsa sinfonia dos anjos a repetirem:
Glória a Deus nas alturas; paz aos homens de boa vontade!


Joanna de Ângelis (espírito), psicografia de Divaldo Franco

De: Wilson
Para: Os Estudiosos
E-mail: wilsonmoreno67@gmail.com
Data: 16/12/14 22:17

Os espíritos elevados não pedem coisas matérias como velas, despachos, cigarros, charutos, bebidas alcoólicas, sacrifícios de animais, somente espíritos apegados a matéria e aos vícios terrenos é que pedem essas coisas.
Os bons espíritos ou espíritos de luz estão com seus pensamentos e sentimentos moralmente depurados, eles não possuem maus desejos, vícios e maus pensamentos e nem tem apegos as coisas matérias.
Esses espíritos que pedem coisas matérias como velas, cigarros, charutos, cachaça, comida, oferendas, despachos, são espíritos inferiores, sem luz, não confie nesses espíritos, cuidado.
Entidades que bebem, fumam, pedem sangue de animais, pedem despachos e velas, são entidades sem luz, entidades condicionada as sensações terrenas, cuidado, elas são maliciosas, espertas, mentem, enganam, tomam nomes falsos e usam uma linguagem sedutora.
Repila essas entidades que pedem bebida alcoólica, cigarros, charutos e sangue de pobres animais.
Você acha que um espírito de luz vai pedir essas coisas???
Quem se envolve com esses espíritos inferiores vai parar na miséria material e espiritual.

Reconhece-se a qualidade dos Espíritos por sua linguagem; a dos Espíritos verdadeiramente bons e su¬periores é sempre digna, nobre, lógica e isenta de con¬tradições; nela se respira a sabedoria, a benevolência, a modéstia e a mais pura moral; ela é concisa e despida de redundâncias.
Na dos Espíritos inferiores, ignorantes ou orgulhosos, o vácuo das idéias é quase sempre preen¬chido pela abundância de palavras.

Todo pensamento evidentemente falso, toda máxima contrária à sã moral, todo conselho ridículo, toda expres¬são grosseira, trivial ou simplesmente frívola, enfim, toda manifestação de malevolência, de presunção ou arrogân¬cia, são sinais incontestáveis da inferioridade dos Es¬píritos.
Um dos caracteres distintivos dos maus Espí¬ritos é a imposição; eles dão ordens e querem ser obede¬cidos; os bons nunca se impõem; dão conselhos, e, se não são atendidos, retiram-se. Resulta daí que a impressão que em nós produzem os maus Espíritos é sempre penosa, fatigante e muitas vezes desagradável; ela provoca uma agitação febril, movimentos bruscos e desordenados; a dos bons, pelo contrário, é calma, branda e agradável.

Os Espíritos superiores se comprazem nas reuniões sérias, onde predominam o amor do bem e o desejo sincero, por parte dos que as compõem, de se instruírem e melhorarem. A presença deles afasta os Espíritos inferiores que, inversamente, encontram livre acesso e podem obrar com toda a liberdade entre pessoas frívolas ou impelidas unicamente pela curiosidade e onde quer que existam maus instintos.
Longe de se obterem bons conselhos, ou informações úteis, deles só se devem esperar futilidades, mentiras, gracejos de mau gosto, ou mistificações, pois que muitas vezes tomam nomes venerados, a fim de melhor induzirem ao erro.

Distinguir os bons dos maus Espíritos é extremamente fácil. Os Espíritos superiores usam constantemente de linguagem digna, nobre, repassada da mais alta moralidade, escoimada de qualquer paixão inferior; a mais pura sabedoria lhes transparece dos conselhos, que objetivam sempre o nosso melhoramento e o bem da Humanidade. A dos Espíritos inferiores, ao contrário, é inconseqüente, amiúde trivial e até grosseira. Se, por vezes, dizem alguma coisa boa e verdadeira, muito mais vezes dizem falsidades e absurdos, por malícia ou ignorância. Zombam da credulidade dos homens e se divertem à custa dos que os interrogam, lisonjeando-lhes a vaidade, alimentando-lhes os desejos com falazes esperanças. Em resumo, as comunicações sérias, na mais ampla acepção do termo, só são dadas nos centros sérios, onde intima comunhão de pensamentos, tendo em vista o bem.
A moral dos Espíritos superiores se resume, como a do Cristo, nesta máxima evangélica: Fazer aos outros o que quereríamos que os outros nos fizessem, isto é, fazer o bem e não o mal. Neste princípio encontra o homem uma regra universal de proceder, mesmo para as suas menores ações.

Os espíritos de luz ou espíritos elevados possuem sempre uma Linguagem pura, digna, nobre, lógica, elevada e sublime de moralidade e seus ensinamentos visam sempre a melhoria Moral do ser humano.
Os espíritos elevados são VIRTUOSOS em suas comunicações e mensagens, eles pregam sempre o bem, a caridade, a honestidade, a elevação moral, as virtudes, o respeito pela vida e o respeito pelos animais.
Os espíritos inferiores e obsessores possuem sempre uma linguagem grosseira, vulgar, pesada, agressiva, sem lógica e sem elevação moral.

Acreditamos ainda que os Espíritos, só pelo fato de serem Espíritos, devem ser donos da soberana ciência e da soberana sabedoria: é um erro que a experiência não tardou a demonstrar. Entre as comunicações feitas pelos Espíritos, algumas são sublimes de profundidade, eloqüência, sabedoria, moral, e só respiram bondade e benevolência; mas, ao lado dessas, há aquelas muito vulgares, fúteis, triviais, grosseiras até, pelas quais o Espírito revela os mais perversos instintos. Fica então evidente que elas não podem emanar da mesma fonte e que, se há bons Espíritos, há, também, maus. Os Espíritos, não sendo mais que as almas dos homens, naturalmente não podem tornar-se perfeitos ao abandonar seu corpo; até que tenham progredido, conservam as imperfeições da vida corpórea; é por isso que os vemos em todos os graus de bondade e maldade, de saber e ignorância.

Uma idéia muito generalizada entre os que desconhecem o Espiritismo é supor que, pelo simples fato de estarem desprendidos da matéria, os Espíritos tudo devem saber e estar de posse da sabedoria suprema. É um erro grave. Não passando de almas dos homens, os Espíritos não adquirem a perfeição ao deixar o envoltório terreno: seu progresso só se faz paulatinamente, à medida que se despojam de suas imperfeições e conquistam os conhecimentos que lhes faltam.
Admitir que o Espírito de um selvagem ou de um criminoso repentinamente se tornasse sábio e virtuoso seria tão ilógico quanto seria contrário à justiça de Deus admitir que continuasse eternamente na inferioridade.
Há homens em todas as gradações do saber e da ignorância, da bondade e da malvadez. O mesmo se dá com os Espíritos. Alguns destes são apenas frívolos e brincalhões; outros, mentirosos, fraudulentos, hipócritas, vingativos e maus; outros, ao contrário, possuem as mais sublimes virtudes e o saber em medida desconhecida na Terra.
Essa diversidade na situação dos Espíritos é um dos mais importantes pontos a considerar, pois que explica a natureza, boa ou má, das comunicações que se recebem. E todo cuidado deve ser posto em distingui-las.

As comunicações obtidas dos Espíritos podem ser boas ou más, exatas ou falsas, profundas ou frívolas, conforme a natureza dos que as transmitem. Os que dão mostras de sabedoria e de erudição são Espíritos adiantados na senda do progresso; os que mostram ignorância e maldade ainda são atrasados. Mas com o tempo hão de progredir.
Os Espíritos podem responder apenas sobre aquilo que sabem, de conformidade com o seu adiantamento e, ainda assim, dentro dos limites do que lhes é permitido dizer – pois há coisas que não podem revelar, de vez que nem tudo é dado ainda ao homem conhecer.
Da diversidade de aptidões e de qualidades dos Espíritos decorre que não basta nos dirigirmos a qualquer um para que obtenhamos resposta certa sobre um assunto qualquer. Em relação a muitas coisas só lhes é possível dar-nos uma opinião pessoal, que tanto pode estar certa, quanto errada. Se for prudente, não deixará ele de confessar sua ignorância sobre aquilo que desconhece; se for frívolo ou mentiroso responderá a todas as perguntas, pouco se importando com a verdade; se for orgulhoso, dará sua opinião como se fosse uma verdade absoluta.

POR ISSO DIZ SÃO JOÃO EVANGELISTA:
“NÃO CREIAIS EM TODOS OS ESPÍRITOS, MAS EXAMINAI SE ELES SÃO DE DEUS.”
MOSTRA A EXPERIÊNCIA A SABEDORIA DESTE CONSELHO. SERIA IMPRUDÊNCIA E LEVIANDADE ACEITAR SEM EXAME TUDO AQUILO QUE VEM DOS ESPÍRITOS. É NECESSÁRIO CONHECER BEM O CARÁTER DOS QUE ESTÃO EM RELAÇÃO CONOSCO.

Pela linguagem se conhece a qualidade dos Espíritos. A dos verdadeiramente bons e superiores é sempre digna, nobre, lógica e isenta de contradições; transparece sabedoria, benevolência, modéstia e a mais pura moral; é concisa e sem palavras inúteis. A dos inferiores, ignorantes ou orgulhosos quase sempre compensa a nulidade das idéias pela abundância de palavras. Todo pensamento evidentemente falso, todo ensino contrário à sã moral, todo conselho ridículo, toda expressão grosseira, banal ou apenas frívola, enfim toda manifestação de malevolência, de arrogância ou de presunção é sinal inconteste de inferioridade do Espírito.

Submetendo-se todas as comunicações a rigoroso exame, sondando e analisando suas idéias e expressões, como se faz ao julgar uma obra literária – e rejeitando sem hesitação tudo o que for contrário à lógica e ao bom senso, tudo o que desmente o caráter do Espírito que se pensa estar manifestando, — consegue-se desencorajar os Espíritos mistificadores que acabam por se afastar, desde que se convençam de que não podem nos enganar.

Repetimos que este é o único meio, mas é infalível porque não existe comunicação má que resista a uma crítica rigorosa. Os Espíritos bons jamais se ofendem, pois eles mesmos nos aconselham a proceder assim e nada têm a temer do exame. Somente os maus se melindram e procuram dissuadir-nos, porque têm tudo a perder. E por essa mesma atitude provam o que são.

Eis o conselho dado por São Luís a respeito:
“POR MAIS LEGÍTIMA CONFIANÇA QUE VOS INSPIREM OS ESPÍRITOS DIRIGENTES DE VOSSOS TRABALHOS, HÁ UMA RECOMENDAÇÃO QUE NUNCA SERIA DEMAIS REPETIR E QUE DEVEIS TER SEMPRE EM MENTE AOS VOS ENTREGAR AOS ESTUDOS: A DE PENSAR E ANALISAR, SUBMETENDO AO MAIS RIGOROSO CONTROLE DA RAZÃO TODAS AS COMUNICAÇÕES QUE RECEBERDES; A DE NÃO NEGLIGENCIAR, DESDE QUE ALGO VOS PAREÇA SUSPEITO, DUVIDOSO OU OBSCURO, DE PEDIR AS EXPLICAÇÕES NECESSÁRIAS PARA FORMAR A VOSSA OPINIÃO”.

Fonte do estudo.
Principiante Espírita de Kardec.
O Livro dos Espíritos.
O Livro dos Médiuns.
Wilson Moreno.

De: Nely
Para: Victor Hugo
E-mail: neli.maria@ig.com.br
Data: 16/12/14 17:59

Obrigada, Victor Hugo.
Deus o abençoe. Sigo mais confiante com suas palavras. Vou ajuda-los com a capacidade que Deus me confiar.
Feliz Natal e Ano Novo com novas esperanças.
Abraço
Nely

De: Victor Hugo
Para: NELY
E-mail: vhgdebem@gmail.com
Data: 16/12/14 16:30

Cara irmã, uma linda tarde para você!
A mediunidade é uma temática deveras complexa e cada caso é um caso específico.
O que posso dizer é que, indubitavelmente, a mediunidade ostensiva permanece com você....você via os espíritos, mas, como na época isso a incomodava e você solicitou ao Pai a interrupção...seu pedido foi atendido. Dessa forma, toda a energia se canalizou para a atividade mediúnica em desdobramento. Ter ou não temor só depende de você...nada há a temer, são apenas pessoas sem o corpo físico. E não há necessidade de serem vistos, mas muitos sequer sabem o que está acontecendo e, com certeza, procuraram e procurarão a sua ajuda.

Forte abraço

Fique com DEUS

De: Nely
Para: Victor Hugo
E-mail: neli.maria@ig.com.br
Data: 15/12/14 17:37

Prezado irmão, a paz mestre Jesus!
Tenho uma dúvida, quando tinha idade entre 15 aos 20 anos as vezes via vultos sem forma, transparentes(como leve fumaça branca) não tocava ao chão. Não sabia o que era, mas passado susto sabia quem..queria se comunicar, ficava confusa. com muito medo e corria pedindo ajuda ao meu Pai. Orava a Deus, não queria ve-los. Hoje entendo um pouco mais, eles se comunicam em desdobramentos. Mas nunca mais os vi. Fiz algo errado? Os espíritos tem necessidade de serem vistos? Um dia não terei mais este temor?
Abraço fraterno a todos.

De: JOSÉ JOAB MAIA
Para: > BIOGRAFIAS > LÉON DENIS
E-mail: jjoabmaia@gmail.com
Data: 15/12/14 16:23

PODERIAM COMPLETAR A BIOGRAFIA DE LÉON DENIS COM A INFORMAÇÃO DE QUE ELE ALÉM TER SIDO ESSE GRANDE ESPÍRTA, NARRAR TAMBÉM UM POUCO DA SUA TRAGETÓRIA NA MAÇONARIA ONDE SE REVELOU COMO UM GRANDE MAÇOM.

PAZ A TODOS.

De: jaine
Para: irmã e Família
E-mail: jaine22@bol.com.br
Data: 14/12/14 06:48

Agradeço a Jesus pela vida por tudo que me dá em todos os dias em que passo nessa terra e principalmente para minha família e todos que estão em minha volta, e mando muitas vibrações positivas para todos os seres do universo, amigos e inimigos,encarnados e desencarnados e peço pela união de nós todas aqui irmãs,sobrinhos e sobrinhos e unhados,como também marido da irmã Vera que está aí para vencer mais uma batalha em sua ida porque ela quer viver Deus e os Amigos Espirituais sabem como ela quer viver então Jesus a ajudará e a nós também força e luz para Vera e nós quw a amamos assim seja PAZ,

 
 
Busca
  
  
  
 
Temas Importantes
- Reencarnação
- Obsessão
- Mediunidade
 
Divulgação
- Indique o Site
- Adicione aos Favoritos
 
Mensagem do dia
“Quando se sinta no dever de reclamar, não faça de seu verbo instrumento de agressão”. André Luiz
 
Boletim Eletrônico
Cadastre seu e-mail e receba mensagens de Luz, textos e outras informações.
E-mail

Assinar Remover
Copyright© 2004/2015 - O Espiritismo - Araraquara/SP - Todos os direitos reservados

Webmaster