Mensagens de Luz  
 
 
  Textos Espíritas  
 
 
  Mural de Recados  
 
 
  Guia de Centros Espíritas  
 
 
  Ouça Mensagens  
 
 
Página Inicial - O Espiritismo
 Home
 A Doutrina
  O que é?
  Conheça Allan Kardec
  Biografias
  Galeria de Imagens
  Fale Conosco
  Links Indicados
  Sugestão de Livros
  Obras Básicas
 O Espiritismo e Você
  Mensagens de Luz
  Textos Espíritas
  Mural de Recados
  Guia de Endereços
  de Centros Espíritas
  Ouça Mensagens
 
 
>> MURAL DE RECADOS
 
Mural
De: wilson
Para: Os estudiosos
E-mail: wilsonmoreno67@gmail.com
Data: 19/01/17 22:46

Existem animais no mundo espiritual???
Muitas obras mediúnicas relatam a existência de animais vagando na erraticidade, mais Kardec explica em seus livros que não existem animais vagando na erraticidade, vejamos as explicações doutrinarias do codificador do Espiritismo.

No O Livro dos Espíritos questão 600 encontramos o seguinte.

600. A alma do animal, sobrevivendo ao corpo fica num estado errante como a do homem após a morte?

– FICA NUMA ESPÉCIE DE ERRATICIDADE, POIS NÃO ESTÁ UNIDA A UM CORPO. MAS NÃO É UM ESPÍRITO ERRANTE. O ESPÍRITO ERRANTE É UM SER QUE PENSA E AGE POR SUA LIVRE VONTADE: O DOS ANIMAIS NÃO TEM A MESMA FACULDADE. E a consciência de si mesmo que constitui o atributo principal do Espírito. O Espírito do animal é classificado, após a morte, pelos Espíritos incumbidos disso e utilizado quase imediatamente: NÃO DISPÕE DE TEMPO PARA SE POR EM RELAÇÃO COM OUTRAS CRIATURAS.

O Livro dos Médiuns cap Capítulo XXV

283. Evocação de animais.

36. Pode-se evocar o Espírito de um animal?

— O princípio inteligente que animava o animal fica em estado latente após a morte. Os Espíritos encarregados desse trabalho imediatamente o utilizam para animar outros seres, através dos quais continuará o processo da sua elaboração. ASSIM, NO MUNDO DOS ESPÍRITOS NÃO HÁ ESPÍRITOS ERRANTES DE ANIMAIS, MAS SOMENTE ESPÍRITOS HUMANOS. ISTO RESPONDE A VOSSA PERGUNTA.
37. Como se explica então que certas pessoas tenham evocado animais e recebido respostas?

— Evoque um rochedo e ele responderá. Há sempre uma multidão de Espíritos prontos a falar sobre tudo.



REVISTA ESPÍRITA, JANEIRO DE 1861, ALLAN KARDEC:

“SABE-SE QUE NÃO HÁ ESPÍRITOS DE ANIMAIS ERRANTES NO MUNDO INVISÍVEL E QUE, CONSEQÜENTEMENTE, NÃO PODE HAVER APARIÇÕES DE ANIMAIS, SALVO O CASO EM QUE UM ESPÍRITO FIZESSE SURGIR UMA APARÊNCIA DESSE GÊNERO, COM UM OBJETIVO DETERMINADO, o que não passaria, sempre, de uma aparência, e não o Espírito real de tal ou qual animal. O fato das aparições é incontestável, mas é preciso guardar-se de as ver em toda parte e de tomar como tais o jogo de certas imaginações facilmente exaltáveis, ou a visão retrospectiva das imagens estampadas no cérebro.”

Wilson Moreno na busca da verdade.



De: Victor Hugo
Para: Todos
E-mail: vhgdebem@gmail.com
Data: 18/01/17 19:39

Fé inabalável é somente aquela que pode encarar a razão, face a face, em todas as épocas da humanidade.

ALLAN KARDEC

De: wilson
Para: Os estudiosos
E-mail: wilsonmoreno67@gmail.com
Data: 17/01/17 08:36


O vício da bebida.

O alcoolismo vai destruir sua vida, sua felicidade e a paz da sua família criando um verdadeiro inferno moral, quantas e quantas pessoas desencarnam prematuramente em acidentes de transito devido a embriagues alcoólica, outras pessoas praticam ate crimes quando começam a beber ou criam perturbações e discussões quando estão embriagados.
O álcool tem o poder de destruir sua vida, sua saúde e te colocar na miséria.
O ser humano tem que ser senhor da sua vontade e de seus pensamentos, saber se controlar, ter uma Vontade forte e pensamentos elevados e firmes para repelir as más influencias.
E pelos vícios os encarnados vão atrair pela sintonia mental espíritos viciados do mundo invisível, o encarnado alcoólatra vai entrar em sintonia com alcoólatras desencarnados, o drogado encarnado vai entrar em sintonia com os drogados desencarnados, o tabagista encarnado entra em sintonia mental com os fumantes desencarnados.
Tudo é uma questão de sintonia mental no mundo espiritual.
O encarnado sem vícios que procura se melhorar moralmente, cultivando pensamentos elevados e positivos vai ficar livre das influencias espirituais negativas.

Todo esforço deve ser feito pelos encarnados para ficar livre dos vícios, por que, esses prejudicam muito a nossa existência terrena encurtando ela pelo suicídio indireto.
Podemos dizer de forma indireta que todo viciado é um suicida por que ele esta enfraquecendo as suas forças orgânicas e destruindo a sua saúde.
Portanto, lute com firmeza contra os vícios, seja forte na vontade e nos pensamentos, nós somos o que pensamos e fazemos na vida e colhemos o que plantamos.
Não existe mais lugar para os fracos na vida terrena reparem que as pessoas fracas na vontade e nos pensamentos não conseguem nada na vida, vivem por viver, sem objetivos e sem rumo moral para sua existência terrena.

Portanto, cuidado com seus pensamentos de fraquezas e cuidado com os vícios, todo encarnado viciado é um pólo de atração psíquica para espiritos viciados do mundo espiritual.
Eles ficam nos observando sempre pela aura e pelos pensamentos, por que, eles podem ler nossos pensamentos, já que a linguagem dos desencarnados é o pensamento.
Eles e comunicam entre si pela telepatia ( irradiação dos pensamentos)

Wilson Moreno

De: Alexandrina
Para: todos
E-mail: alixanda2013@gmail.com
Data: 17/01/17 06:44

bom dia,
gostaria de saber o significado de acordar todas as noites a mesma hora.
a varios meses que acordo por volta das 3 da manha, a nao sei o motivo.
o meu pai faleceu o mes passado as 3:15 da manha.
preciso de ajuda pra tentar entender

De: Victor Hugo
Para: Todos
E-mail: vhgdebem@gmail.com
Data: 16/01/17 14:15

O LIVRE-ARBÍTRIO

Allan Kardec

Questão 872 de O Livro dos Espíritos.
A questão do livre-arbítrio se pode
resumir assim: O homem não é
fatalmente levado ao mal; os atos que
pratica não foram previamente
determinados; os crimes que comete não
resultam de uma sentença do destino.
Ele pode, por prova e por expiação,
escolher uma existência em que seja
arrastado ao crime, quer pelo meio
onde se ache colocado, quer pelas
circunstâncias que sobrevenham, mas
será sempre livre de agir ou não agir.
Assim, o livre-arbítrio existe para
ele, quando no estado de Espírito, ao
fazer a escolha da existência e das
provas e, como encarnado, na faculdade
de ceder ou de resistir aos
arrastamentos a que todos nos temos
voluntariamente submetido. Cabe à
educação combater essas más
tendências. Fá-lo-á utilmente, quando
se basear no estudo aprofundado da
natureza moral do homem. Pelo
conhecimento das leis que regem essa
natureza moral, chegar-se-á a
modificá-la, como se modifica a
inteligência pela instrução e o
temperamento pela higiene.
Desprendido da matéria e no estado de
erraticidade, o Espírito procede à
escolha de suas futuras existências
corporais, de acordo com o grau de
perfeição a que haja chegado e é
nisso, como temos dito, que consiste
sobretudo o seu livre-arbítrio. Esta
liberdade, a encarnação não a anula.
Se ele cede à influência da matéria, é
que sucumbe nas provas que por si
mesmo escolheu. Para ter quem o ajude
a vencê-las, concedido lhe é invocar a
assistência de Deus e dos bons
Espíritos. (337)
Sem o livre-arbítrio, o homem não
teria nem culpa por praticar o mal,
nem mérito em praticar o bem. E isto a
tal ponto está reconhecido que, no
mundo, a censura ou o elogio são
feitos à intenção, isto é, à vontade.
Ora, quem diz vontade diz liberdade.
Nenhuma desculpa poderá, portanto, o
homem buscar, para os seus delitos, na
sua organização física, sem abdicar da
razão e da sua condição de ser humano,
para se equiparar ao bruto. Se fora
assim quanto ao mal, assim não poderia
deixar de ser relativamente ao bem.
Mas, quando o homem pratica o bem, tem
grande cuidado de averbar o fato à sua
conta, como mérito, e não cogita de
por ele gratificar os seus órgãos, o
que prova que, por instinto, não
renuncia, mau grado à opinião de
alguns sistemáticos, ao mais belo
privilégio de sua espécie: a liberdade
de pensar.
A fatalidade, como vulgarmente é
entendida, supõe a decisão prévia e
irrevogável de todos os sucessos da
vida, qualquer que seja a importância
deles. Se tal fosse a ordem das
coisas, o homem seria qual máquina sem
vontade. De que lhe serviria a
inteligência, desde que houvesse de
estar invariavelmente dominado, em
todos os seus atos, pela força do
destino? Semelhante doutrina, se
verdadeira, conteria a destruição de
toda liberdade moral; já não haveria
para o homem responsabilidade, nem,
por conseguinte, bem, nem mal, crimes
ou virtudes. Não seria possível que
Deus, soberanamente justo, castigasse
suas criaturas por faltas cujo
cometimento não dependera delas, nem
que as recompensasse por virtudes de
que nenhum mérito teriam. Demais, tal
lei seria a negação da do progresso,
porquanto o homem, tudo esperando da
sorte, nada tentaria para melhorar a
sua posição, visto que não conseguiria
ser mais nem menos.
Contudo, a fatalidade não é uma
palavra vã. Existe na posição que o
homem ocupa na Terra e nas funções que
aí desempenha, em conseqüência do
gênero de vida que seu Espírito
escolheu como prova, expiação ou
missão. Ele sofre fatalmente todas as
vicissitudes dessa existência e todas
as tendências boas ou más, que lhe são
inerentes. Aí, porém, acaba a
fatalidade, pois da sua vontade
depende ceder ou não a essas
tendências. Os pormenores dos
acontecimentos, esses ficam
subordinados às circunstâncias que ele
próprio cria pelos seus atos, sendo
que nessas circunstâncias podem os
Espíritos influir pelos pensamentos
que sugiram. (459)
Há fatalidade, portanto, nos
acontecimentos que se apresentam, por
serem estes conseqüência da escolha
que o Espírito fez da sua existência
de homem. Pode deixar de haver
fatalidade no resultado de tais
acontecimentos, visto ser possível ao
homem, pela sua prudência, modificar-
lhes o curso. Nunca há fatalidade nos
atos da vida moral. No que concerne à
morte é que o homem se acha submetido,
em absoluto, à inexorável lei da
fatalidade, por isso que não pode
escapar à sentença que lhe marca o
termo da existência, nem ao gênero de
morte que haja de cortar a esta o fio.
Segundo a doutrina vulgar, de si mesmo
tiraria o homem todos os seus
instintos que, então, proviriam, ou da
sua organização física, pela qual
nenhuma responsabilidade lhe toca, ou
da sua própria natureza, caso em que
lícito lhe fora procurar desculpar-se
consigo mesmo, dizendo não lhe
pertencer a culpa de ser feito como é.
Muito mais moral se mostra,
indiscutivelmente, a Doutrina
Espírita. Ela admite no homem o livre-
arbítrio em toda a sua plenitude e, se
lhe diz que, praticando o mal, ele
cede a uma sugestão estranha e má, em
nada lhe diminui a responsabilidade,
pois lhe reconhece o poder de
resistir, o que evidentemente lhe é
muito mais fácil do que lutar contra a
sua própria natureza. Assim, de acordo
com a Doutrina Espírita, não há
arrastamento irresistível: o homem
pode sempre cerrar ouvidos à voz
oculta que lhe fala no íntimo,
induzindo-o ao mal, como pode cerrá-
los à voz material daquele que lhe
fale ostensivamente. Pode-o pela ação
da sua vontade, pedindo a Deus a força
necessária e reclamando, para tal fim,
a assistência dos bons Espíritos. Foi
o que Jesus nos ensinou por meio da
sublime prece que é a oração
dominical, quando manda que digamos:
“Não nos deixes sucumbir à tentação,
mas livra-nos do mal.” Essa teoria da
causa determinante dos nossos atos
ressalta com evidência de todo o
ensino que os Espíritos hão dado. Não
só é sublime de moralidade, mas
também, acrescentaremos, eleva o homem
aos seus próprios olhos. Mostra-o
livre de subtrair-se a um jugo
obsessor, como livre é de fechar sua
casa aos importunos. Ele deixa de ser
simples máquina, atuando por efeito de
uma impulsão independente da sua
vontade, para ser um ente racional,
que ouve, julga e escolhe livremente
de dois conselhos um. Aditemos que,
apesar disto, o homem não se acha
privado de iniciativa, não deixa de
agir por impulso próprio, pois que, em
definitiva, ele é apenas um Espírito
encarnado que conserva, sob o
envoltório corporal, as qualidades e
os defeitos que tinha como Espírito.
Conseguintemente, as faltas que
cometemos têm por fonte primária a
imperfeição do nosso próprio
Espírito,que ainda não conquistou a
superioridade moral que um dia
alcançará, mas que, nem por isso,
carece de livre-arbítrio. A vida
corpórea lhe é dada para se expungir
de suas imperfeições, mediante as
provas por que passa, imperfeições
que, precisamente, o tornam mais fraco
e mais acessível às sugestões de
outros Espíritos imperfeitos, que
delas se aproveitam para tentar fazê-
lo sucumbir na luta em que se
empenhou. Se dessa luta sai vencedor
ele se eleva; se fracassa, permanece o
que era, nem pior, nem melhor. Será
uma prova que lhe cumpre recomeçar,
podendo suceder que longo tempo gaste
nessa alternativa.
Quanto mais se depura, tanto mais
diminuem os seus pontos fracos e tanto
menos acesso oferece aos que procurem
atraí-lo para o mal. Na razão de sua
elevação, cresce-lhe a força moral,
fazendo que dele se afastem os maus
Espíritos.
Todos os Espíritos, mais ou menos
bons, quando encarnados, constituem a
espécie humana e, como o nosso mundo é
um dos menos adiantados, nele se conta
maior número de Espíritos maus do que
de bons.
Tal a razão por que aí vemos
perversidade. Façamos, pois, todos os
esforços para a este planeta não
voltarmos, após a presente estada, e
para merecermos ir repousar em mundo
melhor, em um desses mundos
privilegiados, onde não nos
lembraremos da nossa passagem por
aqui, senão como de um exílio
temporário.



De: Victor Hugo
Para: Todos
E-mail: vhgdebem@gmail.com
Data: 06/01/17 00:56

Caridade, onde estiveres lenindo as dores de alguém, onde sirvas, onde fales, Jesus estará também. Auta de Souza (espírito), psicografia de Francisco Cândido Xavier

De: Victor Hugo
Para: Todos
E-mail: vhgdebem@gmail.com
Data: 28/12/16 18:06

“A população terrestre alcança a passos largos o expressivo número de sete bilhões de seres reencarnados simultaneamente, disputando a oportunidade da evolução...

Embora as grandes aquisições do conhecimento tecnológico e dos avanços da ciência na sua multiplicidade de áreas, nestes dias conturbados os valores transcendentes não têm recebido a necessária consideração dos estudiosos que se dedicam à análise e à promoção dos recursos humanos, vivendo mais preocupados com as técnicas do que com o comportamento moral, que é de suma importância. Por isso, a herança que se transfere para as gerações novas que ora habitam o planeta diz mais respeito à ganância, ao prazer dos sentidos físicos, à conquista de espaço de qualquer maneira, dando lugar à violência e à desordem...

Têm ocupado lugar o materialismo e o utilitarismo, contexto em que muitos comprazem-se distantes da solidariedade, da compaixão e dos espírito fraternal, ante a dificuldade da real vivência do amor, conforme ensinado e vivido por Jesus.

Os indivíduos parecem anestesiados em relação aos tesouros da alma, com as exceções compreensíveis.

Felizmente, o fim do mundo de que falam as profecias refere-se àquele de natureza moral, com a ocorrência natural de sucessos trágicos que arrebatarão comunidades, facultando a renovação, que a ausência do amor não consegue lograr como seria de desejar...

Esses fenômenos não se encontram programados para tal ou qual período, num fatalismo aterrador como muitos que ignoram a extensão do amor de Nosso Pai divulgam,mas para um largo período de transformações, adaptações, acontecimentos favoráveis à vigência da ordem e da solidariedade entre todos os seres.

É compreensível, portanto, que a ocorrência mais grave esteja, de certo modo, a depender do livre-arbítrio das próprias criaturas humanas, cuja conduta poderá apressar ou retardar a sua constituição, suavizando-a ou agravando-a...

Se as mentes, ao invés do egoísmo, da insensatez e da perversidade, emitissem ondas de bondade e de compaixão, de amor e de misericórdia, certamente o panorama na Terra seria outro.

Compreendendo-se a transitoriedade da experiência física, no futuro a psicosfera do planeta será muito diferente porque as emissões do pensamento alterarão as faixas vibratórias atuais que contribuirão para a harmonia de todos e para o aproveitamento do tempo disponível.

O amor de Nosso Pai e a ternura de Jesus para com o Seu rebanho diminuirão a gravidade dos acontecimentos, mediante também a compaixão e a misericórdia, embora a severidade da lei do progresso.

Todos nos encontramos, desencarnados e encarnados, comprometidos com o programa da transição planetária para melhor. Por essa razão, todos devemos empenhar-nos no trabalho de transformação moral interior, envolvendo-nos em luz, de modo que nenhuma treva possa causar-nos transtorno ou levar-nos a dificultar a marcha da evolução.

Certamente, os espíritos fixados nas paixões degradantes sintonizarão com ondas vibratórias próprias a mundos inferiores, para eles transferindo-se por sintonia, onde se tornarão trabalhadores positivos pelos recursos que já possuem em relação a essas regiões atrasadas nas quais aprenderão as lições da humildade e do bem proceder. Tudo se encadeia nas leis divinas, nunca faltando recursos superiores para o desenvolvimento moral do espírito.

Nesse imenso processo de transformação molecular até a conquista da angelitude, há vários meios propiciatórios para o crescimento intelecto-moral, sem as graves injunções desagradáveis. Todos esses meios, entretanto, têm como base o amor e o trabalho.

Assim, a divulgação do Espiritismo é de fundamental importância por demonstrar a todos a imortalidade, a justiça divina, a mediunidade, os mecanismos de valorização da experiência na reencarnação e o imenso significado de cada momento existencial. Desse modo, convidemos a todos o aprendizado pelo amor, à reflexão e ao labor da caridade fraternal com que se enriquecerão, preparando-se para a libertação inevitável pela desencarnação, quando ocorrer.

Louvar e agradecer ao Senhor do Universo pela glória da vida que nos é concedida e suplicar-Lhe auxílio para sermos fiéis aos postulados do pensamento de Jesus, nosso Mestre e Guia, constituem deveres nossos em todos os momentos.

Entretanto, todos os trabalhadores do bem devem atentar para o fato de que experimentarão o aguilhão da dificuldade, sofrerão o apodo e a incompreensão desenfreada que têm sido preservados pela invigilância dos que nada contribuem.

Todos serão chamados ao sacrifício, de alguma forma, a fim de demonstrarem a excelência dos conteúdos evangélicos, considerando-se, por um lado, as injunções pessoais que exigem reparação e, por outro, a fidelidade que pede confirmação pelo exemplo.

Que se não estranhem as dificuldades que se apresentam inesperadamente, causando, não poucas vezes, surpresa e angústia. Por isso, o refúgio da ração apresenta-se o lugar seguro para reabastecer as forças e seguir com alegria.

As entidades que se comprazem na volúpia da vampirização das energias dos encarnados distraídos e insensatos, voltam-se contra os emissários de Jesus onde se encontrem, gerando conflitos em sua volta e agredindo-os com ferocidade. O trabalhador do Mestre, por sua vez, deve voltar-se para a alegria do serviço, agradecendo aos Céus a oportunidade autoiluminativa, sem que nisso ocorra qualquer expressão de masoquismo. Aliás, constitui-nos uma honra qualquer sofrimento por amor ao ideal da verdade, à construção do mundo novo.

Que o discernimento superior possa assinalar-nos a todos, e que os mais valiosos recursos que se possuam sejam colocados à disposição do Senhor da Vinha que segue à frente.”

Dr. Bezerra de Menezes (espírito) em Amanhecer de uma nova era, de Manoel Philomeno de Miranda (espírito), psicografia de Divaldo Franco.

De: wilson
Para: Os estudiosos
E-mail: wilsonmoreno67@gmail.com
Data: 22/12/16 12:28

Como reagir aos maus pensamentos???

Quando vc sentir desanimo, idéias negativas, pensamentos estranhos, pensamentos de vícios, pensamentos de fracasso, vontade de desistir da vida, vontade de beber para esquecer, vontade de usar drogas, quando vc sentir medo e desesperança cuidado esses pensamentos estão sendo intuídos por espiritos obsessores.
Eles procuram intuir ou inspirar em sua mente a desesperança, o desanimo, a apatia, tentam colocar em sua mente pensamentos de derrota e fracassos, tentam te intuir para os vícios.
Reaja a esses pensamentos negativos.
Reaja ao desanimo.
Reaja contra essas idéias de derrota e fraquezas.
Reaja contra essas idéias de beber, fumar ou usar drogas.
Mentalize fortemente em sua mente, eu sou um espírito de luz, eu sou forte, eu sou capaz de superar essas dificuldades, eu posso vencer, eu posso ser feliz, eu sou um espírito puro, eu sou da Luz.
Eu estou no plano material é para evoluir, conquistar e VENCER AS MINHAS IMPERFEIÇÕES MORAIS.
Eu sou da Luz
Eu pertenço a Luz
A minha vida é da luz
Eu tenho Luz
Eu estou vencendo com a luz.

Reaja sempre com força, com coragem, com determinação, não se deixe abater com facilidade seja sempre forte nos pensamentos e na vontade.
Não fique nunca na ociosidade procure coisas positivas e elevadas para fazer.
Combata essas idéias de vícios.
Combata suas fraquezas.
Os maus espiritos se aproximam das pessoas pela sintonia mental, eles querem te colocar no chão e na lama, vão fazer de tudo para colocar pensamentos de fraquezas em sua mente.
Portanto, a batalha contra as forças do mal esta nos pensamentos.
Não existem deuses protetores e nem milagres, a sua proteção psíquica depende somente do seu estado mental, emocional e moral.
Se eleve moralmente sendo uma pessoa positiva, educada, cordial, honesta, correta, seja sempre da luz praticando a luz.

Nunca esqueça essa regra da vida, os fracos na vontade e nos pensamentos vão sempre perder, vão sempre ficar vendo o tempo passar numa tela de TV ou do computador , fuja disso, procure viver intensamente buscando realizações matérias, financeiras, amorosas e espirituais.
Não vire boneco sem personalidade, seja realmente forte nos pensamentos.
Procure sempre tentar, se vc gosta daquela garota chega para ela e fale, se vc levar um fora tudo bem faz parte, mais vc tentou isso o que é importante TENTAR, TENTAR SEMPRE.
Combata a timidez isso vai ter limitar muito na vida, os tímidos estão sempre perdendo chances ficam calados num canto qualquer sem tentarem nada.
Timidez é derrota, combata isso.
É isso meus amigos, eu mesmo tenho dificuldades de realizar essas coisas mais temos que tentar.

Wilson Moreno

De: Nely
Para: Todos da Pagina
E-mail: ana.mary2016@bol.com.br
Data: 21/12/16 23:06

Que a Paz de Deus acompanhe a todos. Que continues sempre seguindo esta trilha do amor, da sinceridade, honestidade e transparência. Feliz Natal e Próspero Ano Novo!

De: wilson
Para: Os estudiosos
E-mail: wilsonmoreno67@gmail.com
Data: 20/12/16 07:59

Fumar

O vicio de fumar vai nos prejudicar muito prejudicando a nossa saúde física e psíquica e vai atrair pela sintonia dos pensamentos espiritos viciados no fumo no tabaco.
Existem muitos espiritos de fumantes desencarnados vagando sem rumo pelo mundo espiritual como eles não possuem mais corpos físicos para fumarem eles vão procurar algum encarnado que seja fraco na vontade e que tenha maus pensamentos e vicios para usarem no vampirismo espiritual.
Todo encarnado viciado vai atrair mais cedo ou mais tarde algum fumante desencarnado.
Portanto se liberte desse vicio repelente de fumar de engolir fumaça irritante que vai afetar a saúde do seu corpo fisico gerando doenças e ate um câncer ou um efisema pulmonar.
O espírito se reencarna no mundo terra é para evoluir moralmente e intelectualmente se libertando dos vicios e das suas imperfeições morais, cultivando valores morais superiores.
Quando um encarnado começa a fumar muito e tem uma conduta moral negativa ele vai atrair para perto de si uma multidão de espiritos viciados que vão se encostar em seu perispirito e vão absorver as emanações fluídicas da nicotina.
Esses espiritos viciados estão aos milhões vagando pela crosta terrena procurando algum encarnado com vicios para se encostar nele e sugar pela aura os fluidos seja da nicotina, do álcool os das drogas.
Por que, tudo no mundo espiritual é sintonia mental ou afinidade moral, atraímos bons ou maus espiritos conforme nossos pensamentos e conduta moral.

Tenha força de vontade, se eleve moralmente, combata as suas fraquezas, medos e vícios, cuide da sua saúde, procure se depurar espiritualmente e pratique sempre o bem e as Virtudes.
Para vc poder evoluir para planos mais elevados do mundo espiritual onde predomina somente paz, harmonia, luz e felicidade.

Wilson Moreno

De: {Nome}
Para: {Para}
E-mail: {email}
Data: 18/12/16 06:46

{Msg}

De: Victor Hugo
Para: Todos
E-mail: vhgdebem@gmail.com
Data: 14/12/16 13:46

INVERSÃO DE VALORES NO NATAL

Durante o solstício de inverno na Roma pagã, período que abrange os dias 17 a 23 de dezembro, celebravam-se as Saturnais, também
denominadas como as “festas dos escravos”, em razão de ser-lhes concedidas oportunidades de prazeres, aumento da quota de
alimentos, diminuição dos trabalhos a que se encontravam submetidos especialmente nos campos.

Homenageando-se o deus Saturno, os participantes entregavam- se aos mais diversos abusos, especialmente na área da sensualidade, da falta de compromissos
morais, assemelhando- se às bacanais...

Quando o Cristianismo primitivo passou a dominar as mentes e os corações do Império, aqueles afeiçoados a Jesus, desejando apagar a nódoa moral
que vinha do paganismo e permanecia atormentando a cultura vigente, transferiram a data do Seu nascimento para aquele período, aproximadamente, destacando-se o dia 25 para as celebrações
festivas.

Havendo nascido o Mestre de Nazaré entre 6 e 8 de abril, segundo os mais precisos cálculos dos estudiosos do Cristianismo contemporâneo, o alto significado
da ocorrência, pensavam então, teria força suficiente para apagar as lembranças dos abusos praticados até aquela ocasião.

O ser humano, nada obstante, mais facilmente vinculado às paixões primitivas, lentamente foi transformando a data evocativa da estrebaria de palha que se transformou numa constelação de
estrelas, a fim de dar expansão aos sentimentos desequilibrados, assim atendendo às necessidades das fugas psicológicas, em culto
externo de fantasia e de prazer.

Posteriormente, São Francisco de Assis, símile de Jesus pelo seu inefável amor e entrega total da vida, desejou recompor a ocorrência
natalina, e realizou o seu primeiro presépio, a fim de que o mundanismo não destruísse a simpleza da ocorrência, apresentando o evento sublime na forma ingênua das suas emoções.

Durante alguns séculos preservou- se a evocação do berço dentro das modestas concepções do Cantor de Deus.

À medida que a cultura espraiou- se e as modernas técnicas de comunicação ampliaram os horizontes das informações, as doutrinas
de mercado, assinaladas pelas ambições de compras e vendas, de extravagâncias e de presentes, de sedução pelo exterior em detrimento do significado interno
dos valores, propôs novos paradigmas para as comemorações do Natal.

Na atualidade aturdida dos sentimentos, a figura de Jesus lentamente desaparece da paisagem do Seu nascimento, substituída pelo simpático e gorducho
velhinho do norte europeu, Papai Noel, e o seu trenó entulhado de brinquedos para as crianças e os adultos que se entregam totalmente à alucinação festiva,
distante da mensagem real do Nascimento.

Atualizando-se no Ocidente e, praticamente no mundo todo, as doces lendas sobre São Nicolau, eis que também a árvore colorida vem substituindo o presépio
humilde nascido na Úmbria, e outro tipo de saturnália toma conta da sociedade, agora denominada cristã...

Matança de animais, excesso de bebidas alcóolicas, festas exageradas, extravagâncias de todo porte, troca de presentes, abuso de promessas
e ânsia de prazeres tomam lugar nas evocações anuais, com um quase total esquecimento do Aniversariante.

A preocupação com a aparência, os jogos dominantes dos relacionamentos sociais e o exibicionismo em torno dos valores externos aturdem
os indivíduos que se atiram à luxúria e ao desperdício, tendo como pretexto Jesus, de maneira idêntica ao culto oferecido a Saturno.

Propositalmente, os adversários da ética-moral proposta pelo Mestre procuram apagar a Sua lembrança nas mentes e nos corações, em tentativas covardes
e contínuas de O transformar em mais um mito que se perde na escura noite do inconsciente coletivo da Humanidade.

Distraídos em torno da ocorrência perversa, pastores e guias do rebanho confundido deixam-se, também, arrastar pela corrente da banalidade, engrossando as
fileiras dos celebradores do prazer e da anarquia.

É certo que Jesus não necessita de que se Lhe celebrem as datas de nascimento nem de morte, mas deseja que se vivam as
lições de que se fez o Mensageiro por excelência, propondo novos conceitos e comportamentos em torno da felicidade e da responsabilidade existencial,
tendo em vista a imortalidade na qual todos nos encontramos mergulhados.

Nada obstante, é de causar preocupação o desvio, a inversão de valores que se observam nas evocações festivas e na conduta dos celebradores,muito mais preocupados
com o gozo e o despautério do que com os conteúdos memoráveis dos ensinamentos por Ele preconizados e vividos.

Por compreender as fraquezas morais do ser humano, Jesus entendia, desde então, tais ocorrências que hoje acontecem, as adulterações
que se produziram nos Seus ensinamentos, e diante da indiferença que tomaria conta daqueles que O deveriam testemunhar, foi peremptório ao afirmar: – Quando eles [os
seus discípulos] se calarem
as pedras falarão...
[Lucas, 19:40.]

Concretizou-se o Seu enunciado profético, porque, nestes dias tumultuosos, nos quais não se dispõe de tempo, senão para alguns deveres de trabalho
que proporcione compensações imediatas, o silêncio das sepulturas quebrou-se e as vozes da imortalidade em grande concerto vêm proclamar e restaurar a mensagem de vida imperecível,
despertando os adormecidos para a lucidez e a atualização da conduta nos padrões elevados do Bem.

Não mais os intérpretes que adaptam os ensinamentos às suas próprias necessidades, distantes do compromisso com a Verdade;
que se deixam dominar por excessos de zelos desnecessários, transferindo os seus conflitos para os comportamentos que os demais
devem vivenciar; que se refugiam nos arraiais da fé, não por sentimentos elevados, mas procurando ocultar os conflitos nos quais estertoram...

As vozes dos Céus, destituídas dos ornamentos materiais e das falsas necessidades do convívio social, instauram a Nova Era, trabalhando
pelo ressurgimento das lições inconfundíveis do Amor, conforme Ele as enunciou e as viveu até o holocausto final...

O Seu Natal é um momento de reflexão, convidando as criaturas humanas a considerarem a Sua renúncia, deixando, por momentos,
o sólio do Altíssimo para percorrer os caminhos ásperos da sociedade daquele tempo, amando infatigavelmente e ensinando
com paciência incomum, de modo a instalar na rocha dos corações os alicerces do Reino de Deus que nunca serão demolidos.

Assim sendo, embora a inversão de valores em torno de Jesus e de Sua doutrina, que se observa
nas leiras do Cristianismo nas suas mais variadas denominações, nenhuma força provinda da insensatez conseguirá diminuir a
intensidade de que se revestem, por serem os caminhos únicos e de segurança para que a criatura, individualmente, e a sociedade,
em conjunto, alcancem a plenitude a que aspiram mesmo sem o saber.

Vianna de Carvalho (espírito)

(Página psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco, na manhã do dia 17 de novembro de 2008, na cidade do Porto, Portugal.)

 
 
Busca
  
  
  
 
Temas Importantes
- Reencarnação
- Obsessão
- Mediunidade
 
Divulgação
- Indique o Site
- Adicione aos Favoritos
 
Mensagem do dia
“O mal que nos fazem somente nos fará mal se revidarmos, tornando-nos maus, a nosso turno iguais ao agressor”. Marco Prisco
 
Boletim Eletrônico
Cadastre seu e-mail e receba mensagens de Luz, textos e outras informações.
E-mail

Assinar Remover
Copyright© 2004/2017 - O Espiritismo - Araraquara/SP - Todos os direitos reservados

Webmaster