Mensagens de Luz  
 
 
  Textos Espíritas  
 
 
  Guia de Centros Espíritas  
 
 
  Fale Conosco  
 
 
Página Inicial - O Espiritismo
 Home
 A Doutrina
  O que é?
  Conheça Allan Kardec
  Biografias
  Galeria de Imagens
  Fale Conosco
  Links Indicados
  Sugestão de Livros
  Obras Básicas
 O Espiritismo e Você
  Mensagens de Luz
  Textos Espíritas
  Guia de Endereços
  de Centros Espíritas
 
 
>> MURAL DE RECADOS
 
Mural
De: Bete Moreira
Para: Todos
E-mail: luannina2012@hotmail.com
Data: 19/03/18 07:58

O pior inimigo



Um homem, admirável pelas qualidades de trabalho e pelas virtudes do caráter, foi percebido pelos inimigos da Humanidade que conhecemos por ignorância, calúnia, maldade, discórdia, vaidade, preguiça e desânimo.

Juntos, eles tramaram agir contra ele, conduzindo-o à derrota.

A ignorância começou a sua perseguição, apresentando-o ao povo como mau observador das obrigações religiosas.

Dizia que ele se isolava cuidando da terra, cheio de ambições desmedidas para enriquecer à custa do alheio suor. Não tinha fé, nem respeitava os bons costumes.

O lavrador ativo recebeu as notícias da adversária, sorriu calmo e falou com sinceridade: A ignorância está desculpada.

Surgiu, então, a calúnia e o denunciou às autoridades por espião de interesses estranhos. Aquele homem vivia, quase sozinho, para melhor comunicar-se com vasta quadrilha de ladrões.

O serviço policial tratou de minuciosas averiguações e, ao término do inquérito vergonhoso, a vítima afirmou sem ódio: A calúnia estava enganada.

E trabalhou com dobrado valor moral.

Logo veio a maldade, que principiou incendiando-lhe o campo. Destruiu-lhe milharais enormes, prejudicou-lhe a vinha, poluiu-lhe as fontes.

O operário incansável tudo refez, respondendo: Contra as sombras do mal, tenho a luz do bem.

Os perseguidores, reconhecendo que haviam encontrado um Espírito robusto na fé, instruíram a discórdia, que passou a assediá-lo dentro da própria casa.

Provocações o cercaram de todos os lados e, em breve, irmãos e amigos o abandonaram.

O bom homem sofreu bastante mas, ergueu os olhos para o céu e falou:

Meu Deus, estou só. No entanto, continuarei agindo e servindo em Teu nome. Esquecerei a discórdia.

Apareceu, então, a vaidade que foi lhe dizendo:

Você é um grande herói... Venceu aflições e batalhas! Deverá ganhar a auréola dos justos e dos santos!

O trabalhador sincero continuou imperturbável:

Sou apenas um átomo que respira. Toda glória pertence a Deus!

Foi a vez da preguiça lhe acariciar a fronte, com mãos traiçoeiras:

Seus sacrifícios são excessivos. Repouse. Você já perdeu as melhores forças!

Vigilante, o interpelado replicou sem hesitar:

Meu dever é o de servir em benefício de todos, até ao fim da luta.

Afastando-se a preguiça, o desânimo compareceu.

Não atacou de longe, nem de perto. Não se sentou na poltrona para conversar, nem lhe cochichou aos ouvidos. Entrou no coração do operoso lavrador e, depois de se instalar, começou a lhe perguntar:

Para que se esforçar? Por que servir? Não vê que o mundo está repleto de colaboradores mais competentes? Que razão justifica tamanha luta?

Não será melhor deixar tudo por conta de Deus? Que espera? Tudo é inútil... Não se lembra de que a morte destruirá tudo?

O homem forte e valoroso, que triunfara de tantos combates, começou a ouvir aquelas interrogações, deitou-se e passou anos sem se levantar.

* * *

Não permitamos que o desânimo nos impeça de viver, de agir e de sonhar. Sempre que o percebamos por perto, coloquemo-nos em oração, afirmando: Minha alma é maior e mais forte do que você.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. 22,
do livro Alvorada Cristã, pelo Espírito Néio Lúcio,
psicografia de Francisco Cândido Xavier, ed. FEB.
Em 19.3.2018.

De: Bete Moreira
Para: Todos
E-mail: luannina2012@hotmail.com
Data: 12/03/18 08:01

Sempre com alegria



Irmã Ananda. Ananda quer dizer alegria. Irmã Alegria.

Desde sua mais tenra infância, acostumara-se a mergulhar nas águas do rio Ganges, para resgatar vestidos, joias, o que pudesse ser transformado em dinheiro.

Dessa forma, ela se constituía no sustento de toda a família. Sua agilidade e habilidade em nadar, até os lugares mais fundos eram elogiáveis.

No entanto, quando manchas estranhas começaram a aparecer em sua pele escura, quando a palavra terrível foi pronunciada, ela foi jogada na rua, pela família mesma por quem tanto trabalhara.

Não poderiam, de forma alguma, permanecer com uma leprosa no lar. E a menina, impedida de se misturar aos demais, impedida de retirar do rio sagrado o seu sustento, sentiu a fome abraçá-la.

Sozinha, enferma, esfomeada, foi acolhida pelas Irmãs de Caridade que, não somente lhe providenciaram o teto, a vestimenta, o alimento, como lhe deram o melhor presente.

Submeteram-na a tal tratamento que ela foi declarada curada da hanseníase.

Agora, passados os anos, cumprido seu noviciado, ela recebeu das mãos de Madre Teresa de Calcutá, o sari branco, com lista azul. Dali em diante, essa seria sua única vestimenta.

Vestimenta que a identificaria como uma das Missionárias da Caridade em qualquer dos mais de cento e trinta países em que ela fosse designada a servir.

Ela foi enviada a Nova Iorque, com mais três companheiras. Sua bagagem chamou a atenção: eram baldes, caixas de papelão amarradas, colchões de palha enrolados em pedaços de pano presos por cordas.

Tudo endereçado para Madre Teresa de Calcutá – Nova Iorque. Estados Unidos.

A maior recomendação de Madre Teresa era de que servissem sempre com alegria.

Era um dia frio e a menina indiana, transformada em missionária, se encantou com os flocos de neve que caíam. Jamais vira tal espetáculo.

Então, seu coração exultou na recitação dos versos do profeta Daniel: Orvalhos e geadas, gelos e neves, bendizei ao Senhor por todos os séculos.

Quando chegou ao local em que trabalharia, dirigiu-se ao subsolo. Era ali que ficavam as suas acomodações.

Embora Madre Teresa houvesse especificado que não deveria haver conforto algum, quem viera reformar o prédio tudo ignorara.

E lá estavam quatro chuveiros à disposição. Ananda ficou olhando-os, admirada. Desde sempre, ela tinha algo muito especial com a água.

Na Índia, carregava os baldes da fonte para casa. Emocionada, Ananda estendeu uma mão trêmula e abriu a torneira.

Um verdadeiro dilúvio caiu imediatamente do teto. Hipnotizada, ela olhou a água correr. Aquilo parecia um milagre.

Com os braços abertos, a cabeça caída para trás, ela se jogou toda vestida debaixo do chuveiro.

Teve vontade de cantar. E cantou os versos do profeta: Chuvas e orvalhos, exaltai o Senhor. E vós, astros do céu, bendizei-O por todos os séculos.

Sua voz atraiu as demais companheiras que vieram correndo. Ao verem Ananda se divertir como uma criança, explodiram todas numa sonora gargalhada.

Felicidade. Sim, Madre Teresa de Calcutá poderia ficar tranquila.

Era com alegria no coração que suas irmãs começavam sua tarefa em Nova Iorque.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. 52,
do livro Muito além do amor, de Dominique Lapierre,
ed. Salamandra.
Em 12.3.2018.

De: Bete Moreira
Para: Todos
E-mail: luannina2012@hotmail.com
Data: 20/02/18 18:01

Se eu pudesse viver de novo



Quando os anos vão se somando, formando décadas, é comum olharmos para trás e analisar o que fizemos.

Naturalmente, nos felicitamos pelas conquistas: a família constituída, os filhos crescidos, os netos chegando. Também a empresa consolidada, o livro publicado, a carreira de sucesso.

Igualmente nos lembramos de algo que fizemos e que gostaríamos de não ter feito. Ao menos, não da forma que realizamos.

Ou lembramos de algum item que se encontra em nossa lista de coisas a realizar.

Se ainda nos sobram anos pela frente, ao menos em nossa matemática de vida, é bem possível que alteremos comportamentos, tomemos atitudes diferentes, iniciemos um novo projeto.

Contudo, se verificamos que muitos anos se passaram e talvez não dê para consertar aquilo em que nos equivocamos, ou completar o projeto tão pensado, uma frase pode nos atravessar a mente: Se eu pudesse viver de novo...

Então, pensamos: Se eu pudesse viver de novo, conduziria minha vida de forma diferente. Ia falar menos e ouvir mais.

Convidaria mais amigos para minha casa, sem me importar com o tapete manchado da sala e o sofá desbotado.

Ia comer pipoca na sala, tranquilamente, com a criançada, assistindo a animação que eles apreciam e não o filme que eu desejaria ver.

Ia arranjar tempo para ouvir as ricas histórias das experiências de vida dos meus avós, prestaria mais atenção ao idioma pátrio deles e me esmeraria em aprendê-lo, como uma segunda opção de língua.

Sentaria na grama com meus filhos, sem me importar com as manchas na roupa. Estaria mais com eles.

Iria rir e chorar menos pelo que assistisse na televisão e mais pelas observações da vida em si mesma.

Quando estivesse doente, me permitiria ficar acamado, a fim de me restabelecer devidamente, em vez de ir trabalhar, acreditando que sou insubstituível e que sem mim as coisas não seriam feitas. Ou não seriam feitas muito bem.

E quando meu filho me viesse beijar intempestivamente, jamais diria: “Agora, não. Estou ocupado.”

Nem o mandaria se lavar antes por estar com as mãos sujas de terra.

Enfim, haveria muito mais “Eu te amo”, “Sinto muito”, “Fique comigo”, “Me ajude”.

Mas, especialmente, se tivesse outra oportunidade de viver, eu iria agarrar cada minuto, olhar para ele e vivê-lo. Vivê-lo de forma intensa, como único.

* * *

Se ainda dispomos deste dia, façamos algo diferente, já, agora. E vivamos muito bem as próximas horas, meses, anos o que tenhamos, o que nos reste.

Se, no entanto, estamos no declínio da vida e a enfermidade ou outra questão de relevância nos tolhe a execução de tudo que ansiamos fazer, pensemos que haverá, sim, uma oportunidade de viver de novo.

Ela se chama reencarnação. Dessa forma, se nos for impossível reformular caminhos agora, pensemos no amanhã como algo concreto.

Retornaremos ao cenário da Terra, num corpo novo, tudo recomeçando. Então, desde já nos esmeremos em tecer propósitos de uma vida plena de idealizações positivas.

Guardemos a certeza de que os amores conquistados nesta vida estarão conosco, acompanhando-nos os ideais.

E que tudo que construímos no hoje se refletirá nesse amanhã de retorno.

Pensemos nisso: todos retornaremos. Por isso, a melhor decisão é contribuir para um mundo melhor, desde o hoje, o mundo que encontraremos quando estivermos de volta.

Redação do Momento Espírita, com base no artigo
Se eu pudesse viver de novo, de Erma Bombeck,
da Revista Seleções Reader’s Digest, dezembro 1982.
Em 8.2.2018.

De: wilson
Para: Os estudiosos
E-mail: wilsonmoreno67@gmail.com
Data: 19/02/18 09:40

OS TALISMÃS - MEDALHA CABALÍSTICA

Esse texto de Kardec é muito importante para livrar as pessoas do misticismo, das crendices e superstições.

Revista Espirita ANO 1 - SETEMBRO 1858 - Nº. 9 de Kardec

Os Espíritos são atraídos ou repelidos PELO PENSAMENTO, e não por OBJETOS MATERIAIS que não têm nenhum poder sobre eles.

Os Espíritos superiores, em todos os tempos, CONDENARAM O EMPREGO DE SINAIS E DE FORMAS CABALÍSTICAS, e todo Espírito que lhes atribui uma virtude qualquer, ou que pretenda dar talismãs que aparentem a magia, revela, com isso, sua inferioridade, esteja agindo de boa fé ou por ignorância, em conseqüência de antigos preconceitos terrestres dos quais estejam imbuídos, seja porque queira conscientemente divertir-se com a credulidade, como Espírito zombeteiro.

OS SINAIS CABALÍSTICOS, QUANDO NÃO SÃO PURA FANTASIA, SÃO SÍMBOLOS QUE LEMBRAM AS CRENÇAS SUPERSTICIOSAS quanto à virtude de certas coisas, como os números, os planetas, e sua concordância com os metais, crenças nascidas nos tempos da ignorância, e que repousam sobre erros manifestos, dos quais a ciência fez justiça mostrando o que eram os pretensos sete planetas, sete metais, etc. A forma mística e ininteligível desses emblemas tinha por objetivo impor ao vulgo ver o maravilhoso naquilo que não compreendia.

QUEM ESTUDOU A NATUREZA DOS ESPÍRITOS, NÃO PODE ADMITIR RACIONALMENTE, SOBRE ELES, A INFLUÊNCIA DE FORMAS CONVENCIONAIS, NEM DE SUBSTÂNCIAS MISTURADAS EM CERTAS PROPORÇÕES; ISSO SERIA RENOVAR AS PRÁTICAS DA CALDEIRA DOS FEITICEIROS, DE GATO PRETO, DE GALINHA PRETA E OUTROS FEITIÇOS. Não ocorre o mesmo com um objeto magnetizado que, como se sabe, tem o poder de provocar o sonambulismo ou certos fenômenos nervosos sobre a economia; mas, então, a virtude desse objeto reside unicamente no fluido do qual está momentaneamente impregnado e que se transmite, assim, por via mediata, e não em sua forma, em sua cor, nem sobretudo nos sinais com os quais pode estar sobrecarregado.

Um Espírito pode dizer: Traçai tal sinal, e a esse sinal reconhecerei que chamais e virei; mas nesse caso o sinal traçado não é senão a expressão do pensamento; é uma evocação traduzida de um modo material; ora, os Espíritos, qualquer que seja sua natureza, não têm necessidade de semelhantes meios para se comunicarem; OS ESPÍRITOS SUPERIORES NÃO OS EMPREGAM NUNCA; OS ESPÍRITOS INFERIORES PODEM FAZÊ-LO TENDO EM VISTA FASCINAR A IMAGINAÇÃO DE PESSOAS CRÉDULAS, QUE QUEREM TER SOB SUA DEPENDÊNCIA.

Regra geral: todo Espírito que liga mais importância à forma do que ao fundo é inferior, e não merece nenhuma confiança, ainda mesmo se, de tempo em tempo, disser algumas coisas boas; porque essas boas coisas podem ser um meio de sedução.

Revista Espirita ANO 1 - SETEMBRO 1858 - Nº. 9 de Kardec

Wilson Moreno


De: wilson
Para: Os estudiosos
E-mail: wilsonmoreno67@gmail.com
Data: 14/02/18 22:04

Observações sobre a Evolução do Espírito.

1) Os animais são nossos irmãos menores na escala evolutiva, eles estão evoluindo para o reino Hominal, assim como o ser humano esta evoluindo para o reino angélico, tudo é Evolução no Universo, nenhum ser fica parado no processo evolutivo.
O corpo físico do Homem é um produto evolutivo dos primatas ou macacos, o Mestre Kardec no seu Livro A Gênese, explica que existe uma filiação corporal e espiritual entre o Homem e os animais.
O nosso corpo físico é uma evolução dos primatas.
E o nosso Espírito antes de chegar ao reino hominal passou pelo reino animal como principio inteligente, nos animais não existe um Espírito formado como o nosso, existe um principio inteligente ou principio espiritual em processo de evolução para o reino humano.

Quando esse principio inteligente adquire raciocínio, senso moral e livre arbítrio torna-se um Espírito formado, simples e ignorante sem conhecimentos e sem virtudes.
E ele passa a se reencarnar em corpos hominais, buscando a sua Evolução moral e intelectual, é pelas reencarnações sucessivas que os Espíritos vão se depurando moralmente e intelectualmente até se tornarem Espíritos iluminados ou Espíritos Superiores, que as religiões chamam de anjos ou arcanjos.
Como disse o Mestre Kardec, do átomo até o arcanjo existe uma cadeia evolutiva, no qual o arcanjo (espíritos superiores) começaram pelo átomo.
Existe nos átomos uma partícula espiritual em processo de evolução para o reino mineral, depois para o reino vegetal, depois para o reino animal, quando essa partícula ou principio inteligente adquire raciocínio, senso moral e livre arbítrio, torna-se um Espírito simples e ignorante passando para o reino Humano ou hominal.
E quando esse Espírito se ilumina, se purifica no campo Moral e no campo Intelectual torna-se um Anjo ( Espírito Superior).

2) Portanto, todo Espírito Superior já foi um espírito simples e ignorante de evolução primaria, todo Espírito Superior já passou pelo reinos,mineral, vegetal, animal e hominal.
Buda, Jesus, Platão, Sócrates, Krisna, Hermes e outros Espíritos Superiores já foram espíritos inferiores, simples e ignorantes de evolução primaria.
Deus é justo e imparcial e suas Leis são IGUAIS para todos os espíritos, não existem espíritos privilegiados na Obra Divina.
Todos os Espíritos evoluem através de reencarnações sucessivas até se purificarem das suas imperfeições morais, nenhum espírito é criado perfeito e puro, todos são criados IGUAIS simples e ignorantes, um exemplo, o Mestre Jesus hoje ele é um Espírito altamente Puro e Superior, super evoluído, mais ele já foi um Espírito inferior, simples e ignorante e quando Ele era um espírito simples e ignorante, ele cometeu seus erros e faltas no processo natural e normal da evolução espiritual.
Jesus, Buda, Sócrates e outros Espíritos Superiores já foram pecadores morais.

3) O Mestre Leon Denis explana o seguinte.
“ a alma dorme no mineral, sonha no vegetal, agita-se no animal e desperta no Homem”
Temos de forma poética e filosófica a evolução do principio inteligente pelos reinos da Natureza.
Podemos, afirmar o seguinte, do átomo ao reino animal temos a evolução do principio inteligente ou principio espiritual.
Do reino hominal ate o reino angélico temos a evolução do Espírito.
Tudo é harmonia, sabedoria e evolução na Obra Divina.

4) A Evolução espiritual se processa pelo aprimoramento Moral e Intelectual.
Evoluir é se melhorar moralmente, praticar o bem, ser honesto, ser correto, ser cordial, ser educado, ser trabalhador, ser caridoso, ser solidário, ajudar os necessitados, amar e respeitar os animais, cultivar pensamentos elevados e puros, cultivar sentimentos nobres, combater os maus desejos, combater os vícios, combater os maus hábitos, combater os maus pensamentos, isso é EVOLUIR.
Evoluir é Vencer a si mesmo.
Evoluir é Vencer as suas próprias imperfeições morais.
Evoluir é ser auto iluminar.

Wilson Moreno

De: Bete Moreira
Para: Todos
E-mail: luannina2012@hotmail.com
Data: 14/02/18 11:59

A mais improvável lição de amor



O que é o amor? Alguém escreveu que o amor é como uma flor no deserto. Nasce, aparece, cresce, amadurece e transforma em oásis qualquer lugar hostil, áspero e cruel.

É comum, no entanto, em noticiários que divulgam crimes passionais, ouvirmos que quem matou o fez por amor.

Terá o amor esse viés de agressividade, de maldade, ao ponto de perseguir, agredir, acabar com a vida de quem dizemos amar?

Será esse o sentido do amor? O amor que se registra como posse e se não puder ser nosso, ninguém mais o terá?

O Mestre de Nazaré nos instituiu como lei máxima a do amor. Amor a Deus, o Criador, e ao nosso próximo.

Detalhou ainda que deveríamos amar a nós mesmos. Eis uma regra especial, algo que nos deve levar a reflexionar com profundidade: quem deseja algo ruim para si mesmo?

Não desejamos para nós somente o melhor, o bom, o agradável?

Talvez, alguns de nós, tenhamos uma ideia distorcida do que seja o amor.

Como aquele jovem presidiário que conta que seu padrasto costumava lhe bater com extensões elétricas, cabides, pedaços de pau, o que tivesse à mão.

E toda vez que assim o agredia, repetia: Isso dói mais em mim do que em você. Faço isso porque amo você.

Foi assim que ele cresceu com a falsa ideia de que o amor tinha de fazer mal. E passou a medir a extensão desse sentimento exatamente pela dor que alguém poderia sofrer.

Por isso, aos que dizia amar, ele magoava, machucava. Andando pela viela dos desacertos, acabou preso e condenado à prisão perpétua.

Segundo ele, pena merecida por ter cometido um terrível crime. Um duplo assassinato: de uma mulher e de uma criança.

Foi no ambiente da prisão que ele entendeu o que era e o que não era amor. O que via ali era maldade, crueldade, desespero, desesperança. Seria mesmo isso o amor?

E a lição chegou de uma forma totalmente improvável.

Foi uma mulher, Agnes, quem lhe ensinou o que era o verdadeiro amor. Ela tinha razões para odiá-lo porque era a mãe e avó das suas vítimas.

Contudo, ela o foi visitar na prisão e viu naquele jovem o ser humano sofrido, marcado por traumas, desorientado, perdido e lhe ofereceu amor. Aquele amor que compreende, que apoia, que perdoa.

O amor que salva, que ergue um novo edifício em meio aos escombros de uma vida marcada pela violência.

Um amor que transforma, que leva a criatura a refletir sobre o que fez e lhe indica rumos novos, para os anos que ainda tem à frente.

* * *

O amor é o olhar de Deus!

O amor é o sentimento superior em que se fundem e se harmonizam todas as qualidades do coração: é o coroamento das virtudes humanas, da doçura, da bondade.

É a manifestação na alma de uma força que nos eleva acima da matéria, até alturas divinas, unindo todos os seres.

O amor, profundo como o mar, infinito como o céu, abraça todas as criaturas. Deus é o seu foco.

Assim como o sol se projeta sobre todas as coisas e aquece a natureza inteira, assim também o amor divino vivifica todas as almas.

Deus é amor. E como somos Seus filhos, fomos criados para amar.

Amemos. A nós mesmos, ao nosso semelhante. Amemos.

Redação do Momento Espírita, com fato colhido em
https://www.youtube.com/watch?v=2liy_1kyaz0 e
com pensamentos do cap. XLIX, pt. 5, do livro
Depois da morte, de Léon Denis, ed. FEB.
Em 14.2.2018.

De: Silvio Soriano Arcova
Para: todos
E-mail: silviosorianoarcova@gmail.com
Data: 13/02/18 15:10

Boa tarde pessoal do Mural e do: O ESPIRITISMO NET

Reforçando: preciso alguns dias da semana assistir muitos videos do Youtube de abordagem verdadeiramente Espírita de fonte segura e idônea. Tais como: Filmes e documentários de Allan Kardec, Raul Teixeira, Haroldo Dutra, Bezerra de Menezes, Divaldo P. Franco, Chico Xavier, Feal- RBN, da FEB, e história de JESUS em capítulos e de videos seguros e idôneos
Internacionais. É importantíssimo clicar na mãozinha de positivo
\"gostei\",pois o Youtube registra e divulga o Espiritismo.

Fiquemos Todos com Deus....

Silvio Soriano Arcova.

De: Silvio Soriano Arcova
Para: todos
E-mail: silviosorianoarcova@gmail.com
Data: 13/02/18 15:10

Boa tarde pessoal do Mural e do: O ESPIRITISMO NET

Reforçando: preciso alguns dias da semana assistir muitos videos do Youtube de abordagem verdadeiramente Espírita de fonte segura e idônea. Tais como: Filmes e documentários de Allan Kardec, Raul Teixeira, Haroldo Dutra, Bezerra de Menezes, Divaldo P. Franco, Chico Xavier, Feal- RBN, da FEB, e história de JESUS em capítulos e de videos seguros e idôneos
Internacionais. É importantíssimo clicar na mãozinha de positivo
\"gostei\",pois o Youtube registra e divulga o Espiritismo.

Fiquemos Todos com Deus....

Silvio Soriano Arcova.

De: wilson
Para: Os estudiosos
E-mail: wilsonmoreno67@gmail.com
Data: 12/02/18 11:10

As Orientações de Erasto.

Os falsos profetas não existem apenas entre os encarnados, mas também, e muito mais numerosos, entre os Espíritos orgulhosos que, fingindo amor e caridade, semeiam a desunião e retardam o trabalho de emancipação da Humanidade, impingindo-lhe os seus sistemas absurdos, através dos médiuns que os servem. ESSES FALSOS PROFETAS, PARA MELHOR FASCINAR OS QUE DESEJAM ENGANAR, E PARA DAR MAIOR IMPORTÂNCIA ÀS SUAS TEORIAS, DISFARÇAM-SE INESCRUPULOSAMENTE COM NOMES QUE OS HOMENS SÓ PRONUNCIAM COM RESPEITO.

São eles que semeiam os germes das discórdias entre os grupos, que os levam a isolar-se uns dos outros e a se olharem com prevenções. Bastaria isso para os desmascarar. Porque, assim agindo, eles mesmos oferecem o mais completo desmentido ao que dizem ser. Cegos, portanto, são os homens que se deixam enganar de maneira tão grosseira.

Mas há ainda muitos outros meios de os reconhecer. OS ESPÍRITOS DA ORDEM A QUE ELES DIZEM PERTENCER, DEVEM SER NÃO SOMENTE MUITO BONS, MAS TAMBÉM EMINENTEMENTE RACIONAIS. POIS BEM: PASSAI OS SEUS SISTEMAS PELO CRIVO DA RAZÃO E DO BOM SENSO, E VEREIS O QUE RESTARÁ.

ENTÃO CONCORDAREIS COMIGO EM QUE, SEMPRE QUE UM ESPÍRITO INDICAR, COMO REMÉDIO PARA OS MALES DA HUMANIDADE, OU COMO MEIOS DE REALIZAR A SUA TRANSFORMAÇÃO, MEDIDAS UTÓPICAS E IMPRATICÁVEIS, PUERIS E RIDÍCULAS, OU QUANDO FORMULA UM SISTEMA CONTRADITADO PELAS MAIS CORRIQUEIRAS NOÇÕES CIENTÍFICAS, SÓ PODE SER UM ESPÍRITO IGNORANTE E MENTIROSO.

Por outro lado, lembrai-vos de que, se a verdade nem sempre é apreciada pelos indivíduos, sempre o é pelo bom senso das massas, e isso também constitui um critério. Se dois princípios se contradizem, tereis a medida do valor intrínseco de ambos, observando qual deles encontra mais repercussão e simpatia. Com efeito, seria ilógico admitir que uma doutrina cujo número de adeptos diminui, seja mais verdadeira que outra, cujo número aumenta. Deus, querendo que a verdade chegue a todos, não a confina num círculo restrito, mas a faz surgir em diferentes lugares, a fim de que, por toda parte, a luz se apresente ao lado das trevas.

Erasto
O Evangelho Segundo o Espiritismo\"
Os Falsos Profetas da Erraticidade

Vou realçar essa colocação de Erasto.
OS ESPÍRITOS DA ORDEM A QUE ELES DIZEM PERTENCER, DEVEM SER NÃO SOMENTE MUITO BONS, MAS TAMBÉM EMINENTEMENTE RACIONAIS. POIS BEM: PASSAI OS SEUS SISTEMAS PELO CRIVO DA RAZÃO E DO BOM SENSO, E VEREIS O QUE RESTARÁ.

Erasto

Wilson Moreno

De: wilson
Para: Os estudiosos
E-mail: wilsonmoreno67@gmail.com
Data: 11/02/18 19:29

Como Combater os espíritos mistificadores e obessores ????

Revista Espírita ANO 2 - FEVEREIRO 1859 - Nº. 2 de Kardec

SE NÃO QUISERMOS SER VÍTIMAS DE ESPÍRITOS LEVIANOS, É NECESSÁRIO JULGÁ-LOS, E PARA ISSO TEMOS UM CRITÉRIO INFALÍVEL: O BOM SENSO E A RAZÃO.

Sabemos que as qualidades de linguagem, que caracterizam entre nós os homens realmente bons e superiores, são as mesmas para os Espíritos. DEVEMOS JULGÁ-LOS POR SUA LINGUAGEM.
Nunca seria demais repetir o que a caracteriza nos Espíritos elevados: é constantemente digna, nobre, sem basófia nem contradição, isenta de trivialidades, marcada por um cunho de inalterável benevolência. Os bons Espíritos aconselham; não ordenam; não se impõem; calam-se naquilo que ignoram. Os Espíritos levianos falam com a mesma segurança do que sabem e do que não sabem; a tudo respondem sem se preocuparem com a verdade. Em mensagem supostamente séria, vimo-los, com imperturbável audácia, colocar César no tempo de Alexandre; outros afirmavam que não é a Terra que gira em redor do Sol.
Resumindo: TODA EXPRESSÃO GROSSEIRA OU APENAS INCONVENIENTE, TODA MARCA DE ORGULHO E DE PRESUNÇÃO, TODA MÁXIMA CONTRÁRIA À SÃ MORAL, TODA NOTÓRIA HERESIA CIENTÍFICA É, NOS ESPÍRITOS COMO NOS HOMENS, INCONTESTE SINAL DE NATUREZA MÁ, DE IGNORÂNCIA OU, PELO MENOS, DE LEVIANDADE.

DE ONDE SE SEGUE QUE É NECESSÁRIO PESAR TUDO QUANTO ELES DIZEM, PASSANDO-O PELO CRIVO DA LÓGICA E DO BOM SENSO. Eis uma recomendação feita incessantemente pelos bons Espíritos. Dizem eles: Deus não vos deu o raciocínio sem propósito. Servi-vos dele a fim de saber o que estais fazendo. “Os maus Espíritos temem o exame. Dizem eles: Aceitai nossas palavras e não as julgueis”. Se tivessem a consciência de estar com a verdade, não temeriam a luz.

O HÁBITO DE PERSCRUTAR AS MENORES PALAVRAS DOS ESPÍRITOS, DE LHES PESAR O VALOR – DO PONTO DE VISTA DO CONTEÚDO E NÃO DA FORMA GRAMATICAL, COM QUE POUCO SE PREOCUPAM ELES – NATURALMENTE AFASTA OS ESPÍRITOS MAL INTENCIONADOS, que não viriam então inutilmente perder o tempo, de vez que rejeitamos tudo quanto é mau ou tem origem suspeita. Mas quando aceitamos cegamente tudo quanto dizem, quando, por assim dizer, nos ajoelhamos ante sua pretensa sabedoria, eles fazem o que fariam os homens, eles abusam de nós.

Se o médium for senhor de si, se não se deixar dominar por um entusiasmo irrefletido, poderá fazer o que aconselhamos. Mas acontece freqüentemente que o Espírito o subjuga a ponto de o fascinar, levando-o a considerar admiráveis as coisas mais ridículas; então ele se entrega cada vez mais a essa perniciosa confiança e, ESTRIBADO EM SUAS BOAS INTENÇÕES E EM SEUS BONS SENTIMENTOS, JULGA ISTO SUFICIENTE PARA AFASTAR OS MAUS ESPÍRITOS. NÃO, ISSO NÃO BASTA: ESSES ESPÍRITOS FICAM SATISFEITOS POR FAZÊ-LO CAIR NA CILADA, PARA O QUE APROVEITAM SUA FRAQUEZA E SUA CREDULIDADE. Que fazer, então? Expor tudo a uma terceira pessoa desinteressada, para que esta, julgando com calma e sem prevenção, possa ver um argueiro onde o médium não via uma trave.

Allan Kardec

Revista Espírita ANO 2 - FEVEREIRO 1859 - Nº. 2




Anterior [01] [02]
 
 
Busca
  
  
  
 
Temas Importantes
- Reencarnação
- Obsessão
- Mediunidade
 
Divulgação
- Indique o Site
- Adicione aos Favoritos
 
Mensagem do dia
“A alegria do próximo começa muitas vezes no sorriso que você lhe queira dar”. André Luiz
 
Boletim Eletrônico
Cadastre seu e-mail e receba mensagens de Luz, textos e outras informações.
E-mail

Assinar Remover
Copyright© 2004/2018 - O Espiritismo - Araraquara/SP - Todos os direitos reservados

Webmaster